Câncer de pele: sol é vida, mas exige cuidados rigorosos

Câncer de pele: sol é vida, mas exige cuidados rigorosos

O câncer de pele é o mais frequente no Brasil, representando 1/4 de todos os tumores malignos registados. No entanto, a maioria destes diagnósticos não correspondem ao tipo mais grave, o melanoma cutâneo. 

Câncer de pele melanoma
  •  Estimativa de novos casos no Brasil: 6.260, sendo 2.920 homens e 3.340 mulheres (2018 – INCA)
  • Número de mortes no Brasil:  1.794, sendo 1.012  homens e 782 mulheres (2015 – SIM)
  • Câncer de pele não melanoma
  •  Estimativa de novos casos no Brasil: 165.580, sendo 85.170 homens e 80.140 mulheres (2018 – INCA)
  • Número de mortes no Brasil: 1.958, sendo 1.137  homens e 821 mulheres (2015 – SIM)

Fonte: Instituto Nacional de Câncer- Estimativa 2018 
Incidência de Câncer no Brasil- www.inca.gov.br

O que é?

O câncer de pele é um desenvolvimento anormal das células da pele, que se multiplicam desordenadamente até formarem um tumor maligno. O câncer de pele pode ser classificado em melanoma e não-melanoma. O melanoma cutâneo é um tipo de câncer que tem origem nos melanócitos (células produtoras de melanina, substância que determina a cor da pele) e tem predominância em adultos brancos.

Embora só represente 4% dos tipos de câncer de pele, é considerado o mais grave, devido sua alta capacidade de metástase. O tipo não-melanoma apresenta altos percentuais de cura se for detectado precocemente. é considerado o de maior incidência, mas de baixo índice de mortalidade. Esse tipo é mais comum em adultos, com picos de incidência por volta dos 40 anos, porém com a constante exposição de jovens aos raios solares, a média de idade dos pacientes vem diminuindo.

Sintomas. Como identificá-lo?

  • ASSIMETRIA: Assimétrico Maligno, Simétrico Benigno
  • BORDA: Borda irregular Maligno, Borda regular Benigno
  • COR: Dois ou mais tons Maligno, Tom único Benigno
  • DIMENSÃO: Superior a 6 mm Maligno, Inferir a 6 mm Benigno

O melanoma pode surgir de uma lesão pigmentada ou da pele normal. Caso ocorra a partir da pele normal, sé dá após o aparecimento de uma pinta escura com borda irregulares, acompanhada de coceira e descamação.

Se a lesão já existia, as modificações apresentadas são aumento de tamanho, alteração na cor e na forma, além de que passa a ter bordas irregulares.

Por ser uma doença com sintomas inicialmente tão sutis, o autoexame é de extrema importância. Em frente ao espelho, examine seu corpo de frente, de costas  e em ambos os lados. é importante observar palmas das mãos, pantas dos pés e couro cabeludo. Mediante qualquer alteração, procure um médico.

Diagnóstico

  • A coloração pode variar do castanho-claro passando por vários matizes chegando até à cor negra (melanoma típico) ou apresentar área com despigmentação (melanoma com área de regressão espontânea).
  • O crescimento ou alteração da forma é progressivo e se faz no sentido horizontal ou vertical.
  • Na fase de crescimento horizontal (superficial), a neoplasia invade a epiderme (camada mais superficial da pele), podendo atingir ou não a derme papilar superior (camada intermediária da pele).
  • No sentido vertical, seu crescimento é acelerado através da espessura da pele, formando nódulos visíveis e palpáveis.

Cuidados extras para a prevenção:

Evitar exposição prolongada ao sol entre 10 horas e 16 horas e, mesmo assim, usar sempre bonés ou chapéus, óculos, procurar o abrigo de uma barraca ou guarda-sol e usar filtro solar com fator de proteção 15 ou superior. Mesmo em dias nublados ou chuvosos, aplicar o filtro solar: este produto deve fazer parte da sua rotina!

Quais seriam fatores de alto risco?

  • História familiar de câncer de pele;
  • Nervo congênito (pinta escura);
  • Nevo displásico (lesões escuras da pele alterações celulares pré-cancerosas);
  • Pessoas com pele e olhos claros;
  • Pessoas que trabalham expostas ao sol, sem proteção adequada;
  • Exposição prolongada e repetida ao sol durante a infância e a adolescência. 

Tratamento

A cirurgia é o tratamento mais indicado. A radioterapia e a quimioterapia também podem ser utilizadas dependendo do estágio do câncer. Quando há metástase (o câncer já se espalhou para outros órgãos) , o melanoma é incurável na maioria dos casos. A estratégia de tratamento para a doença avançada deve ter então como objetivo aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida do paciente.

 

Cuidados básicos com o sol, um dos grandes vilões do câncer de pele:

  • Evite exposição prolongada entre 10h e 16h. Não deixe de usar boné, chapéu de abas largas, óculos escuros. 
  • Use filtro solar e replique-o a cada duas horas, quando exposto por períodos prolongados.
  • Mesmo em dias nublados e/ou de inverno, o filtro solar deve ser um item indispensável na sua rotina. 

Esperamos que estas orientações tenham ajudado você a entender melhor esse assunto tão importante na vida do paciente oncológico.

Os textos publicados em nosso Blog têm caráter informativo e suas informações não substituem a consulta com especialistas. 

Para mais informações sobre o tema, entre em contato com um médico e tire suas dúvidas.

 Dr. Carlos Felin – CRM 9751
Médico Oncologista – Diretor Técnico da Oncocentro

Sem comentários

Postar um comentário