(NPIQ) Neuropatia Periférica induzida por Quimioterapia

(NPIQ) Neuropatia Periférica induzida por Quimioterapia

A neuropatia periférica é uma doença que surge, na maioria das vezes, como uma condição secundária, como por conta de um câncer ou de seu tratamento (NPIQ). É muito importante que ela seja diagnosticada precocemente para garantir uma boa qualidade de vida. Os nervos são como canos elétricos revestidos por uma substância isolante e espalhados pelo corpo humano.

Eles são responsáveis por transmitir as sensações, inervar os músculos, fazendo com que eles se movimentem, e inervar também os órgãos internos.

 


Apresentação do Quadro

• Neuronopatia: Incomum; Ocorre entre 1º e 3º ciclo de QT; Distribuição em luva e bota; Distribuição sensorial precede motora; Destruição do gânglio da raiz dorsal (DRG) – Irreversível.


• Axonopatia: Distribuição em luva e bota mais tardiamente; Inicia MMII e pode ascender; Pode ocorrer entre 1° e 3º ciclos de QT. Sensorial, porém pode evoluir para motora.

Por ser um dos principais fatores limitantes do tratamento e a mais prevalente complicação neurológica na terapêutica do câncer, o farmacêutico tem papel importante na profilaxia desses casos, criando instrumentos de avaliação precoce da NPIQ, fazendo acompanhamento farmacoterapêutico desses pacientes. 🔎

Terapias de prevenção, na sua maioria são de fundo medicamentoso, portanto prescritos pelo médico que acompanha o histórico e o caso do paciente.

⠀⠀⠀⠀
Fontes:

⠀⠀⠀⠀
– Instituto Oncoguia – Neuropatia Periférica Induzida pela Quimioterapia – 2013;⠀⠀⠀
– Revista ABRALE – Neuropatia Periférica: fique de olho no formigamento – 2019;⠀⠀
– HARBER, Grace. Controle da Neuropatia Induzida pela Quimioterapia – INCA 2016;

 

 

 

Esperamos que estas orientações tenham ajudado você a entender melhor esse assunto tão importante na vida do paciente oncológico. Mas, não fique com dúvidas, a melhor maneira de entender é conversando com seu médico.

Aqui na Oncocentro damos suporte aos pacientes que buscam ter seus direitos assegurados. Estamos sempre atualizados e fazemos parte da SBOC (Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica) que nos dá todo o suporte necessário.

Lucas Baco – Farmacêutico Responsável Técnico – Oncocentro 
CRF-RS 17351
Especialista em Oncologia – UFN
Pós-graduando em Farmácia Clínica e Hospitalar – Faculdade Unyleya

Sem comentários

Postar um comentário