Câncer de Mama

Câncer de Mama

As causas de câncer são variadas, podendo ser #externas ou #internas ao organismo, estando ambas inter-relacionadas.

 

Hoje vamos focar nas causas externas, pois os fatores de risco relacionados a elas, na sua grande maioria, são #EVITÁVEIS, ou seja, temos poder sobre eles. Nos cards destaquei alguns fatores de risco importantes e também como preveni-los.

Vale lembrar também que, exposição a determinadas substâncias e ambientes, como agrotóxicos, benzeno, campos eletromagnéticos de baixa frequência, campos magnéticos, compostos orgânicos voláteis, hormônios e dioxinas, pode estar associada ao desenvolvimento da doença.

Os profissionais que apresentam #risco aumentado de desenvolvimento de câncer de mama são os cabeleireiros, operadores de rádio e telefone, enfermeiros e auxiliares de enfermagem, comissários de bordo, trabalhadores noturnos.

As atividades econômicas que mais se relacionam ao desenvolvimento da doença são as da indústria da borracha e plástico, química e refinaria de petróleo.

Hoje não falaremos de fatores relacionados à história reprodutiva e hormonal, tampouco dos fatores genéticos e hereditários, pois o câncer de mama de caráter genético/hereditário corresponde a apenas 5% a 10% do total de casos da doença.

Sobre #amamentação: é importante ressaltar que não ter amamentado não é fator de risco para câncer de mama. Amamentar o máximo de tempo possível é um fator de #proteção para o câncer. Então, o não aleitamento promove a perda de um fator de proteção, o que é diferente de significar fator de risco.

A melhor prevenção é a INFORMAÇÃO!

Para 2020, segundo o #INCA há uma estimativa de 66.280 mil novos casos.

Sempre bom lembrar que: quem procura PODE achar, 𝗺𝗮𝘀 𝗾𝘂𝗲𝗺 𝗮𝗰𝗵𝗮 𝗧𝗥𝗔𝗧𝗔!

 

Fontes:

– Câncer de Mama. Instituto Nacional do Câncer – INCA <https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-de-mama>

– Câncer de Mama: Fatores de Riscos, Sintomas e Diagnóstico. <www.hospitaloswaldocruz.org.br/imprensa/noticias/cancer-de-mama-fatores-de-risco

 


Leia também: Anticorpos Monoclonais na Oncologia


 

Esperamos que estas orientações tenham ajudado você a entender melhor esse assunto tão importante na vida do paciente oncológico. Mas, não fique com dúvidas, a melhor maneira de entender é conversando com seu médico.

Aqui na Oncocentro damos suporte aos pacientes que buscam ter seus direitos assegurados. Estamos sempre atualizados e fazemos parte da SBOC (Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica) que nos dá todo o suporte necessário.

Lucas Baco – Farmacêutico Responsável Técnico – Oncocentro 
CRF-RS 17351
Especialista em Oncologia – UFN
Pós-graduado em Farmácia Clínica e Hospitalar – Faculdade Unyleya

Sem comentários

Postar um comentário