Câncer de Mama

Câncer de Mama

Câncer de Mama 𝗛𝗘𝗥𝟮+ 𝑽𝑺 Terapia 𝗔𝗻𝘁𝗶-𝗛𝗘𝗥𝟮

Você com certeza já leu/ouviu alguém dizer “esse câncer é HER2 positivo”, mas o que isso quer dizer?

HER2 abreviatura de “Human Epidermal growth factor Receptor-type 2”, ou seja, receptor tipo 2 do fator de crescimento epidérmico humano. Ela é uma proteína de “superfície”, presente nas células mamárias (e em outros tecidos) e tem função biológica de promover o seu crescimento.

Entre 15 e 20% das pacientes com câncer de mama apresentam amplificação do gene Erb-B2/HER2, logo, havendo amplificação do gene, haverá hiperexpressão dessa proteína/receptor. Essa condição está associada a um curso mais agressivo da doença, com maior propensão a metástases viscerais e cerebrais e redução de sobrevida global, em caso de doença sem tratamento. Mas há tratamento!  🙌

 

Por isso é necessário, quando identificada, promover uma terapia direcionada para bloquear essa via de crescimento. Para tanto, usamos a terapia alvo, com drogas que tem seu alvo molecular nesse receptor.

Como exemplo:
– Trastuzumabe (Herceptin®, Zedora® …):
Anticorpo IgG1 κ humanizado, que se liga ao domínio extracelular do HER2/neu, um receptor do fator de crescimento de tirosina quinase transmembrânico da família do EGFR.
– Pertuzumabe (Perjeta®)
Anticorpo com mesmo alvo, mas região diferente. O bloqueio duplo com os anticorpos (Trastu + Pertu) é mais potente em produzir taxas de resposta do que cada medicamento isolada mente.
– TDM1 (Kadcyla®):
A ligação do T-DM1 ao HER2, seguida de sua fagocitose, libera a entansina diretamente no interior da célula, causando sua morte por mecanismo citotóxico.
Essas medicações mudam #prognósticos e salvam #vidas, é lindo né?

 


Leia também: Certificação de Equipamentos e Ambientes


 

Fontes:
– Biomarcadores em Oncologia / Alessandro Leal … [et al.] ; coordenação Marcos André Costa, Felipe Ades, Ricardo Caponero. – 1. ed. – Barueri [SP] : Manole, 2020.121p.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
– Chabner, Bruce A.; Longo, Dan L. Manual de Oncologia de Harrison. 2 ed. Porto Alegre: AMGH. 206p. 2015.

 

Esperamos que estas orientações tenham ajudado você a entender melhor esse assunto tão importante na vida do paciente oncológico. Mas, não fique com dúvidas, a melhor maneira de entender é conversando com seu médico.

 

Aqui na Oncocentro damos suporte aos pacientes que buscam ter seus direitos assegurados.

Estamos sempre atualizados e fazemos parte da SBOC (Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica) que nos dá todo o suporte necessário.

Lucas Baco – Farmacêutico Responsável Técnico – Oncocentro 
CRF-RS 17351
Especialista em Oncologia – UFN
Pós-graduado em Farmácia Clínica e Hospitalar – Faculdade Unyleya

Sem comentários

Postar um comentário